• Yvette Hio Pugliesi

Descobertas Causa e Vacina para COVID-19

Atualizado: Mai 20

Diferentemente do que estamos acostumados a ver, não partiu da CIÊNCIA, mas sim da CONSCIÊNCIA, a grande descoberta das causas e, por consequência, a vacina para este ser silencioso e invisível a olhos nus, que vem dizimando a população de todo o planeta.

CAUSAS

A princípio, percebeu-se que o ser humano definiu um isolamento social, onde o contato físico se tornava cada vez menos importante ou necessário. A tecnologia evoluída gradativamente por séculos, e nos últimos anos, de forma galopante, transformou a voz em letras, os abraços, emoções e sentimentos em pequenas figuras, as atitudes em vídeos, a habilidade humana em robôs e o homem em marionete de grupos sociais e ideológicos. As famílias deixaram de se reunir em almoços, jantares e preces. Os vizinhos se tornaram invisíveis, muitos incômodos, porém invisíveis. Os pés deixaram de tocar a terra. A fumaça dos veículos automotores invadiu os céus. Os oceanos se tornaram cemitérios de lixo e da vida marinha. As matas foram desaparecendo, dando lugar a grandes queimadas e terras inúteis, animais mortos e extintos pelo fogo.

Idosos e sábios deixaram de ser considerados mestres e passaram a ser bagagens pesadas, descartáveis, invisíveis, sem qualquer valor moral, e, em alguns casos, apenas financeiro. O outro deixou de ter importância e deu espaço ao ego exacerbado. Os “bom dias”, “por favor”, “obrigado”, “com licença”, “me perdoe” e tantas outras expressões passaram a ser motivo de dessocialização. Ser igual, dentro do abandono da educação e respeito, passou a ser a ordem para juntar-se ao grupo.

Drogas, crimes hediondos, assassinatos, violência, cobiça, desamor entre pais e filhos, inversão de valores, falta de fé em um criador do universo, desrespeito às crenças religiosas, preconceito, maldade contra a vida animal, abuso sexual, corrupção, falta do silêncio... A música clássica, a harpa e o violino foram postos de lado. O som puro, o canto das aves, a cultura, foram todos, aos poucos, substituídos por ruídos moldados por palavras de conotação sexual e expressões de agressividade. Estes foram alguns dos pilares da construção de uma egrégora negativa e pesada, cuja vibração conseguiu construir uma arma quase invisível e incontrolável, desbancando os poderes, igualando as etnias e classes sociais, tirando o poder das mãos do dinheiro.

Foram detectados no peito do homem sentimentos de ódio, ressentimento, mágoa, revolta, ingratidão, vingança, inveja e desamor pela própria vida. E foi ali, no peito, que o inimigo se instalou.

Não foi toda a humanidade, isto é certo. Ainda há quem tenha optado por um caminho mais leve. Mas, assim como aconteceu há mais de 2.000 anos, foi preciso alguém morrer para salvar o mundo. E assim a cura foi identificada, surgindo, através do sofrimento e da falta do que mais a humanidade estragou: o ar, que muitos foram chamados para um plano superior.

O inimigo se alastrou nos altos poderes e nos menos afortunados. A fome e a falência se instalaram e o alerta foi dado: usar máscaras (que já existiam de uma forma diferente, em um “alter ego”, uma personalidade moldada para ser aceito); isolamento social (que também já se fazia presente). Era muito fácil perceber o isolamento social nas reuniões, nas mesas de restaurantes, nas salas de espera, nas filas e tantos outros lugares onde cada indivíduo mantinha o olhar fixo em um aparelho celular, nunca nos olhos do outro. A empatia desapareceu. O abraço virtual, que era o comum, agora se tornou uma alternativa para sarar a saudade.

Era tão simples viver! Era tão simples ser grato por tudo que o planeta nos ofertou de graça! Era tão simples ser simples! Mas o ser humano preferiu modificar as leis da natureza e deu espaço a uma guerra onde não há como se proteger, a não ser, fazendo o óbvio, o que já deveria estar sendo feito desde sempre.

A VACINA

Esta descoberta inédita oferecida pela CONSCIÊNCIA, é tão óbvia quanto poderia: voltarmos ao início, começar tudo da forma correta, amar o outro como si próprio, não matar, não roubar, não desejar o que o outro possui, não carregar mágoas, perdoar, ser grato por cada respiração, valorizar a família, abraçar com vontade de aquecer o coração do outro, dizer “eu te amo” (mas antes disso, realmente amar), respeitar a natureza, munir-se de educação e cultura, empregar seus sentimentos mais nobres nas coisas mais simples, aprender a perdoar, a respeitar e entender a fragilidade do outro, ajudá-lo a ser melhor, sem arrogância, sem ego, simplesmente por amá-lo. Amar e agradecer pela família na qual se encontra. Olhar nos olhos do outro e perceber as suas carências, ajudar, doar-se sem exigir nada em troca. Em outras palavras: ser a imagem e semelhança do ser divino que nos colocou neste plano para que nos tornássemos luz, e não perecermos nas trevas. Esta é a cura. E ela só virá quando a grande maioria dos habitantes temporários desta nave retomarem a sua plena condição de que estamos aqui para nos tornarmos melhores.


Definições Complementares (Dicionário Michaellis):


CIÊNCIA: Disciplina relativa ao estudo das propriedades dos corpos e das forças sobre eles.


CONSCIÊNCIA: Capacidade, de natureza intelectual e emocional, que o ser humano tem de considerar ou reconhecer a realidade exterior (objeto, qualidade, situação) ou interior, como, por exemplo, as modificações de seu próprio eu.



0 visualização